domingo, 26 de julho de 2015

:: O barato está saindo caro



    "O Ceará terminou o jogo de ontem com o seguinte ataque: Siloé, Muller Fernandes e Rodrigo Silva. 

    No final de abril, estávamos nas finais do Nordestão e tínhamos como opões para o setor ofensivo: Magno Alves, Marinho, Assisinho, Marcos Aurélio e William. Todos sabiam da provável saída do Magnata e do Samuel Xavier, além do inevitável assédio dos outros times aos demais atletas, após a boa campanha no Nordestão. Era evidente que o time precisaria de reforços para o início da série B, uns 7 ou 8 de qualidade seria suficiente. O mercado estava aberto. Era hora de contratar. A diretoria também sabia disso, mas o tempo foi passando e nada de reforços.

   Jogadores foram negociados (Magnata, Marinho, Samuel Xavier), outros dispensados (Wiliam e Marcos Aurélio), perdemos Assisinho por contusão, mas nada de reforços. Ao contrário, prevalecia o discurso: “estamos trabalhando”, “ os resultados vão vir”, “confiamos no elenco”, “não cometeremos loucuras”, enfim, a já conhecida e irritante lentidão nas contratações, marca registrada da nossa diretoria de futebol. O tempo foi passando e, a conta gotas, foram chegando as “apostas”, mas reforço de verdade, nada! Eis que sobra para o treinador. E com a chegada do novo treinador, nada de reforços. Só apostas, transformando Porangabussú numa verdadeira casa lotérica.

   Agora, o mercado se fechou e daqui a pouco encerra o prazo para inscrição de jogadores. As apostas não deram certo, os resultados não apareceram e a paciência acabou. Mas fica a pergunta: qual o motivo para não ter contratado? Mesmo com a economia dos salários do Magno Alves, William e Marcos Aurélio, as premiações do Nordestão e Copa do Brasil, a grana extra das negociações do Marinho, Éderson e, talvez, Sandro Manuel, optou-se por não investir em reforços de qualidade. Deliberadamente ou não, o Ceará estagnou e se recusou a ousar, a sonhar, a crescer. Já se vão 4 anos na série B e parece que esqueceram o caminho da série A. Pior, a gestão, tida por muitos como a melhor da história do clube, pode ser responsável pela maior humilhação na nossa centenária trajetória.

  Não podemos esquecer que a atual diretoria realizou grandes feitos como a aquisição do CT, o acesso em 2009, um tetra (2011/2014), um Nordestão, belas campanhas na Copa do Brasil e o saneamento das dívidas trabalhistas.  

   Também pisou na bola ao permitir o primeiro tetra do nosso rival em 2010 (com o time colorido na “C” e o Ceará na “A”), ao perder o penta para um time de série C nesse ano, ao deixar escapar um acesso no ano do centenário (mesmo liderando até o fim do 1º turno), ao deixar a desejar no marketing e, principalmente, no departamento de futebol, onde ano após ano estamos acompanhado a diretoria perder o controle do elenco, jogadores que deixam de jogar da noite para o dia, jogadores que jogam bem em todos os clubes e, estranhamente, não rendem no Ceará, sem falar na lentidão nas contratações de reforços.

   Apesar disso, o saldo é positivo, razão pela qual ainda acredito na recuperação do clube. Mas, para isso, é necessário atitude, providências concretas. Caso contrário, todo o trabalho realizado nos últimos anos será jogado no lixo e a atual gestão ficará marcada como a responsável pela maior vergonha da história alvinegra!"

* texto de autoria do embaixador David Dias    

0 comentários:

Postar um comentário